Sobre Mim


Terra Rica. Foi nesta cidade do noroeste do Parana, onde morei por 2 anos, que tive o primeiro contato com comunicação. Trabalhei na Rádio Guairacá AM por um ano e meio. Tive o privilégio de ter contato com equipamentos que não se usam mais, como cartucheiras e Md´s. Hoje é tudo digitalizado e por computador. Essa experiência me fez querer um aprofundamento na área. Decidi cursar jornalismo.

(foto do dia em que fui fazer reportagem pra aula de TV da Faculdade)

Voltando pra SP com a família, prestei vestibular na Faculdade Cásper Líbero. Só passei na quinta e última chamada. Fui o número 129. Só passavam 90. Tem idéia de quanta gente desistiu de fazer a matrícula para que eu pudesse entrar? Coisa de Deus mesmo. E ter sido um dos últimos a entrar não teve a menor importância. Posso contar nos dedos quantos que se formaram comigo estão realmente no mercado de trabalho. Enfim, na faculdade tive a oportunidade de estagiar na Rádio Universitária Gazeta AM. Pouco antes de me formar, comecei a trabalhar na RIT - Rede Internacional de TV. Era uma emissora nova, e eu fiz parte da primeira equipe de jornalismo a trabalhar lá. Ganhei experiência em apresentação, reportagem e locução para TV. Montei meu currículo e meu portifólio televisivo e enviei para 30 emissoras, dos estados de São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro. Só 2 me responderam: a TV TEM de Bauru e o SBT de Santos. Analisei as propostas e optei pela afiliada da Globo no interior paulista.

(foto da minha primeira passagem por Bauru)

Parti para a aventura de ser praticamente um Bandeirante, com as devidas proporções, é claro. Mas, imagine um paulistano, recém formado, sem conhecimento da vida, muito menos de outras culturas! Era eu!! Pra mim, a cada reportagem eu estava, literalmente, desbravando o interior.

(foto de um dos dias de trabalho raiando em Itapê)

De Bauru, fui transferido pra mesma emissora, em Itapetininga. Foi onde mais aprendi. Morava numa casa simples, alugada, dividindo terreno com uma senhora, que era a dona da casa. Dona Ana foi minha segunda mãe. Literalmente cuidou de mim. Ela é uma daquelas pessoas que Deus manda pra nos fazer companhia.
De "Itapê" fui transferido pra São José do Rio Preto. Lá, me aprimorei na arte da reportagem. Me envolvi mais com esporte. Participei de transmissões do Sportv. E consegui emplacar reportagens no Esporte Espetacular e Globo Esporte nacional, estadual e até de Minas Gerais.


(foto de quando apresentava o Globo Esporte regional)

Foi quando fui procurado pra trabalhar na capital. A BandNewsTV tinha uma proposta pra que eu fosse um dos apresentadores do canal. A ideia de estar perto da familia de novo, me despertou. Aceitei o convite e fui. Não me arrependo. Mas com o passar dos dias, percebi que era muito cedo pra eu estar numa bancada, apenas apresentando, sem ir pra rua. Eu queria mais. 

(foto da bancada do BandNewsTV)

Diante disso, voltei pro interior pra trabalhar novamente em Bauru. De volta à afiliada da Rede Globo, consegui fazer reportagens para o Bom Dia Brasil, Jornal da Globo e várias entradas no Globo Notícia.
(foto de uma entrada no Globo Notícia)

Mas chega o dia em que, para fazer o que se gosta, é preciso tomar decisões. Recebi uma proposta da Rede Gazeta, de São Paulo, pra trabalhar de novo na minha cidade natal, perto da minha família e com oportunidade de acompanhar o cotidiano da maior cidade do país. Enfrentar nas ruas os desafios da megalópole!! E vencendo-os. Dia após dia, com a graça de Deus.

(foto de uma passagem feita pro Jornal da Gazeta)